Durabilidade de facetas laminadas: adaptação das facetas laminadas

Durabilidade de facetas laminadas: uso do isolamento absoluto
21/05/2019
F1 Cursos: Tratamentos odontológicos de alto nível de forma acessível
27/05/2019
Saudações odontológicas! Tudo bem com você? Eu sou Heitor Cosenza e vou passar mais uma dica importante, algo que pra nós cirurgiões dentistas é um processo rotineiro, mas que eu quero que você, que não é dentista, saiba!
Vou falar de mais uma etapa do processo de realização de lentes de contato, uma etapa que está totalmente ligada à durabilidade. Essa etapa é a chamada de adaptação. Vamos para a tela do computador que eu vou mostrar pra você um pouquinho do nosso processo de cimentação e prova dessas peças, que são finas capas de cerâmica que fazem de fato a mudança do sorriso das pessoas.
Olha só: esse processo aqui na verdade, foi um vídeo que eu produzi para o Instagram que é voltado para dentistas. Esse processo é de um caso que foi feito para que a gente pudesse ensinar os alunos a fazerem facetas laminadas. Eu já estou indo pra minha 20ª turma de curso de facetas laminadas, já dei esse curso para dezenas de dentistas. Olha só aqui: essa parte aqui, essa parte do processo que nós estamos fazendo é a chamada prova seca O que que é a prova seca? Quando uma lente de contato, uma faceta laminada chega do laboratório de prótese, nós fazemos o teste de adaptação. Então a nossa faceta tem que estar contato íntimo com o dente do paciente. Mas por quê? Porque essa é a área em que nós temos a possibilidade de ter infiltração. Então como que uma faceta, uma lente de contato, vai falhar? Ela vai falhar se, nessa área, aqui existir algum tipo de cavidade, algum tipo de desadaptação ou algum tipo de retenção de sujeira. Então quando nós fazemos o trabalho, quando nós fazemos as facetas laminadas, nós tomamos muito cuidado para que esse processo seja feito com as lentes de contato muito bem adaptadas. É um processo extremamente preciso, um processo em que nós cuidamos de forma bastante cuidadosa, de forma bastante caprichada pra que essas peças tenham boa adaptação.
Olha só: ela está aqui só encostadinha no dente e a gente nota que não tem quase espaço entre a peça e o dente. Assim nós vamos ter uma maior durabilidade do trabalho porque temos o menor risco de infiltração.
Essa é mais uma dica de um dentista que já vem se comunicando com dentistas há quatro anos. Hoje já são mais de 100 mil pessoas na rede social que gostam do meu conteúdo técnico-odontológico e por isso eu decidi produzir também um pouco de conteúdo mostrando algumas coisas importantes do consultório odontológico, dos processos odontológicos pra você que não é cirurgião dentista.
Se você ficou interessado, se quer saber mais sobre as técnicas odontológicas explicadas de forma simples, me segue lá nas redes sociais, entre em contato comigo que terei o maior prazer em responder suas dúvidas! Instagram: @cosenzaodontologia Facebook: @cosenzaodontologia Youtube: Heitor Cosenza
Um grande abraço e até o próximo vídeo!
Heitor Cosenza
Heitor Cosenza
Dr. Heitor Bernardes Cosenza Cirurgião Dentista pela Faculdade de Odontologia de Bauru – USP, Especialista em Implantodontia pela Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas, Mestre em Implantodontia pela USC Bauru, Pós-graduado em Odontologia Estética pelo SENAC São Paulo e Coordenador da Especialização em Prótese Dentária da F1 Cursos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inscreva-se para Novidades

Junte-se ao nosso mailing para manter-se atualizado sobre novos posts.

Você foi inscrito com sucesso!